Inseminação consiste em tratar os espermatozóides para ficarem mais ativos, selecionados e concentrados e colocá-los no fundo uterino e nas tubas no dia fértil da mulher. A vantagem do procedimento é que os espermatozóides ficam melhores e não se perdem na vagina como acontece na relação sexual. Apresenta eficácia ao redor de 17% e está indicada quando o número de espermatozóides não é exageradamente baixo (acima de 5 milhões/ml), quando o teste pós-coital é anormal ou quando não há um diagnóstico claro da infertilidade.

A inseminação pode ser feita em ciclos naturais, isto é, sem a estimulação da ovulação ou com medicamentos indutores de ovulação objetivando a produção de dois ou três óvulos, melhorando assim a eficácia, porém com o risco de 10% de surgirem gêmeos. Os medicamentos podem ser comprimidos ou injeções, sua administração inicia-se ao redor do 3º dia do ciclo.

Determina-se o dia fértil da mulher através de exames de ultrassom realizados duas a três vezes. Pacientes que moram fora de Curitiba, podem tomar os medicamentos e fazer as ultrassonografias em suas cidades e vir a Curitiba apenas no dia fértil para realizarem o procedimento.

O marido colhe o sêmem por masturbação. O preparo de sêmem demora de 60 a 90 minutos.

A introdução dos espermatozóides é indolor e o procedimento é semelhante a um exame ginecológico comum. Solicita-se à mulher estar com a bexiga cheia para poder acompanhar a inseminação por ultrassonografia.

Após a inseminação a mulher fica quinze minutos em repouso e em seguida volta às atividades habituais.