Antes do tratamento é necessário uma avaliação do casal, alguns exames rotineiros e uma orientação sobre qualidade de vida.

O tratamento inicia-se na menstruação com a administração de uma injeção diária a partir do 3º dia de menstruação. Realizam-se duas ou três ultrassonografias para determinar o dia em que os óvulos estão maduros, o que acontece após seis a oito injeções. Dores abdominais ou apenas desconforto podem acontecer em decorrência do crescimento ovariano provocado pelos medicamentos. Presença de umidade vaginal provocada pelo muco cervical, aquela secreção tipo clara de ovo, pode ser percebida pela mulher na medida em que se aproxima o dia fértil (óvulos maduros).

No dia fértil os óvulos são retirados pela vagina sob anestesia local e um sedativo, um procedimento totalmente indolor. A dor abdominal pode tornar-se um pouco mais intensa após a punção dos folículos, persistindo até a ocorrência da menstruação ou após o teste de gravidez positivo. O marido colhe o sêmen por masturbação e o casal vai para casa duas horas após.

No mesmo dia os espermatozóides penetram ou são injetados nos óvulos e dois a três dias após os embriões já apresentam quatro a oito células e são transferidos para o útero da mãe em procedimento indolor. A bexiga da futura mamãe é cheia com soro através de uma fina sonda, os embriões são colocados no útero, a bexiga é esvaziada logo em seguida, evitando desconforto para a paciente. A paciente fica em repouso durante 30 minutos e retorna para casa. São transferidos entre um e quatro embriões, dependendo da idade da paciente e de acordo com o desejo do casal.